Artigos

Tweet

O que significa resiliência? Qual sua importância?

por Eduardo Carmello

Resiliência não é mais um modismo que chega à administração. É um estudo complexo sobre pessoas e empresas que têm uma habilidade extraordinária de administrar um conjunto de características para lidar adequadamente com as mudanças e adversidades.

Segundo uma pesquisa do Instituto de Ciência e Tecnologia de Manchester, os executivos brasileiros estão entre os mais insatisfeitos em todo o mundo com o trabalho. A pesquisa foi realizada em 24 países, com 700 administradores, todos eles respondendo a questionários sobre o nível de satisfação e sobre sintomas de problemas físicos e psicológicos causados pelo estilo de trabalho.

No ranking de Saúde mental, o Brasil aparece em 17.o lugar. No de satisfação no trabalho, 14.o e em saúde física, 18.o. Sintomas de esgotamento, dores de estômago e insônia; ansiedade, insegurança e irritação são os fatores físicos e psicológicos mais diagnosticados e que estão prejudicando o desempenho profissional, assim como as relações familiares.

Nosso estilo de vida não está lá um dos melhores. Demasiadas pressões e cobranças nos cercam a todo o momento. A competitividade do mercado de trabalho, a sobrecarga de tarefas, a preocupação com segurança e com o desemprego, nos tornam distressados demais, causando-nos uma sensação de permanente tensão e desespero. Se sentir mal no tempo e no espaço não é mais privilégio de nenhum astronauta.

Profissionais estão sendo forçados a se adaptarem a um ambiente de exacerbada competição, a se defrontarem com ineditismos e dominar informações a intervalos cada vez mais curtos.

Nós temos um limite para suportar a pressão...

Saber se adaptar e reajustar confortavelmente, reagir de forma inteligente às pressões e pressentir e antecipar acontecimentos, é objetivo primordial dos programas de desenvolvimento da Resiliência, como uma das competências mais valorizadas nos modelos de Gestão Estratégica de Pessoas.

Resiliência é um termo primeiramente utilizado pela física que significa a capacidade de um material voltar ao seu estado normal depois de ter sofrido uma pressão.

As ciências humanas utilizam este termo para qualificar a capacidade de um indivíduo em possuir uma conduta sã num ambiente insano, ou seja, a capacidade do indivíduo de sobrepor-se e construir-se positivamente frente às adversidades.

Tavares dá uma definição mais orientada para as organizações como “a capacidade de responder de forma mais consistente aos desafios e dificuldades, de reagir com flexibilidade e capacidade de recuperação diante de desafios e circunstâncias desfavoráveis, obtendo uma atitude otimista, positiva e perseverante e mantendo um equilíbrio dinâmico durante e após os embates”

Características de um colaborador resiliente

  • Auto-confiantes: acreditam em si e naquilo de que são capazes de fazer;
  • Gostam e aceitam mudanças, encaram as situações de estresse como desafios;
  • Pouco ansioso, alta extroversão e aberto à experiência
  • Auto-conceito e auto-estima positiva
  • Emocionalmente inteligente
  • Mantém clareza de propósito, calma e foco diante de situações adversas

Não sabemos o que os profissionais enfrentarão pela frente, mas provavelmente será algo inusitado, emergencial ou inovador.

As empresas voltadas para a administração centrada no ser humano, estão procurando Programas de Gestão do Estresse, Resiliência e Qualidade de Vida, pois esperam que seus funcionários e líderes possam aprender mais sobre si próprio e modificar seu estilo de resposta comportamental, além de lidar com o componente emocional. Uma vez que Recursos Humanos estão cada vez mais focados para resultados estratégicos, estes estão orientando seus treinamentos para que o profissional desenvolva melhores estratégias e recursos, podendo fazer opções mais sensatas quando sob pressão. Que possam gerenciar ambigüidades e tensões com o máximo de inteligência e saúde possível, diminuindo sua ansiedade e aumentando sua confiança diante de incertezas.

Os resultados esperados do desenvolvimento da resiliência são:

  • a melhor preparação do indivíduo para lidar com pressões;
  • fornecer meios de reduzir pressões desnecessárias reconhecendo como elas são criadas e mantidas;
  • desenvolvem a capacidade que temos de se adequar e flexibilizar às situações sem perder nossos objetivos.

O profissional que puder fazer uso de ferramentas e técnicas para o gerenciamento de suas competências em contextos de imprevisibilidade, ameaça ou emergência, estará de certa forma administrando o nível de desenvolvimento e adaptação de seu organismo em relação às informações e mudanças que ocorrem no ambiente organizacional. E isto pode fortalecer seu desempenho, adquirindo e mantendo as habilidades e competências necessárias para seu autodesenvolvimento e ascensão de sua carreira.

VOLTAR SUBIR INDIQUE A UM AMIGO IMPRIMIR HOME